sábado, 12 de outubro de 2013

Lapinha de Jesus I

Pouco se sabe sobre o primeiro livro da autora, o auto Lapinha de Jesus, editado pela Vozes (1969). O que podemos afirmar, com certeza, é que ele traz a autoria de Adélia em parceria com o escritor Lázaro Barreto e algumas fotos de Gui Tarcísio Mazzoni. Aliás, poucos leitores da literatura adeliana tiveram a oportunidade de conhecê-lo, talvez por não haver interesse por parte da autora, ou das editoras, em publicá-lo novamente.
Semana passada, alguém que me ama muito, disse tê-lo encontrado em um sebo qualquer e prometeu me presentear com o livro! Assim que recebê-lo farei questão de postar minhas impressões e, quem sabe, alguns trechos para os leitores que desejam conhecê-lo! Aqueles que já conhecem o texto, por favor, comentem o post e deixem suas impressões sobre o livro! Creio que ele deve valer uma boa monografia, ou mesmo uma dissertação de mestrado! Ah! Quase esqueci... Existe um poema da autora que recebe o nome de Lapinha e que se encontra no livro Terra de Santa Cruz (1978) - o segundo livro da autora, que aliás foi agraciado com o prêmio Jabuti. Deixo aqui a transcrição do poema:


Lapinha

Quando éramos pobres e eu menina
era assim o Natal em nossa casa:
quatro semanas antes
a palavra ADVENTO sitiava-nos,
domingo após domingo.
Comeríamos melhor naquele dia,
seríamos pouco usuais:
vinho, doces, paciência.
Porque o MENINO estremecia no feno
e nos compadecíamos de Deus até as lágrimas.
Olhando a manjedoura, o que eu sentia
- sem arrimo de palavras - 
era o que eu sinto ainda:
'O desejo de esbeltez será concretizado.'
À luz que não tolera excessos,
o musgo, a areia, a palha cintilavam,
a pedra. Eu cintilava.


Lindo o poema, não?! Vou ficando por aqui! Assim que receber o livro conto pra vocês o que achei. Até lá!

Nenhum comentário:

Postar um comentário